PRINCIPAL / SALA DE NOTICIAS
 
 
 
BH apresenta ações e avanços do Projeto Vida no Trânsito
Publicado em 11/08/2011 10:23:55



A capital mineira recebeu, nesta quarta-feira (10/08), a vista de representantes do Ministério da Saúde (MS), da Organização Panamericana da Saúde (OPAS) e da Bloomberg Philantropis. O objetivo da visita foi conhecer o banco de dados e as ações que Belo Horizonte desenvolve para reduzir lesões e óbitos no trânsito, além de conhecer os resultados já obtidos desde o inicio do projeto, em outubro de 2010.

Em encontro na sede da prefeitura, participaram o prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda; o secretário Municipal de Saúde, Marcelo Teixeira; o diretor-presidente da BHTrans, Ramon Victor César; o diretor do Departamento de Análise e Situação da Saúde do Ministério da Saúde, Otaliba Libânio; a representante da OPAS, Mercedez Maldonado; e a representante da Bloomberg Philantropis, Kely Larson.

Durante a solenidade de abertura, o prefeito Marcio Lacerda falou sobre a participação de Belo Horizonte no projeto. “Estamos muito felizes em participar de um projeto dessa plenitude. Estamos preparados e ansiosos para fazermos junto com vocês um excelente trabalho”, completou Lacerda.

O diretor do Departamento de Análise e Situação de Saúde do MS, Otaliba Libânio ressaltou a importância da iniciativa. “O Projeto Vida no Trânsito visa trabalhar alguns aspectos importantes e, aqui, no caso de Belo Horizonte, priorizamos dois pontos – a velocidade e a questão do álcool e direção”. O diretor explicou ainda porque a capital mineira foi uma das escolhidas. “Belo Horizonte apresenta um alto índice de mortalidade no trânsito, mesmo já tendo grandes intervenções no trânsito, que são feitas pela BHTrans e, agora, com esse projeto, tenho certeza que vai diminuir mais, porque as ações que estão sendo feitas em conjunto, entre a Bhtrans, as secretaria de Saúde e Educação, são muito fortes e tem mostrado muitos resultados positivos”, avaliou Libânio.

“Esse é um projeto em escala mundial, que visa prevenção e promoção à saúde no trânsito. A idéia é fazer uma grande mobilização intersetorial, envolvendo a Saúde, a Educação, a BHTrans, a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros”, explicou o secretário Municipal de Saúde, Marcelo Teixeira. Ele ressaltou ainda as ações que a Secretaria Municipal de Saúde (SMSA) já desenvolveu para reduzir os acidentes de trânsito. “Criamos um mapa epidemiológico que possibilita implementar as ações de melhoria no trânsito e redução de acidentes, como a instalação de redutores de velocidade, instalação de semáforos e faixas de pedestres, em locais onde a incidência de acidentes é maior”, destacou Teixeira.



A representante da Bloomberg Philanthropies, Kely Larson, parabenizou a cidade pela grande participação no projeto Vida no Trânsito. “Belo Horizonte está fazendo parte do time dos sonhos. O trabalho desenvolvido aqui não é só referência para o Brasil, mas para todo o mundo”, afirmou Larson.

O diretor–presidente da BHTrans, Ramon Victor César, apresentou os dados do trânsito na capital. “Belo Horizonte possui hoje aproximadamente 1,4 milhões de veículos e os atropelamentos são a primeira causa de morte no trânsito, com 3.064. O projeto vem reafirmar a importância de um trabalho articulado intersetorialmente”. O diretor citou também todos os projetos que estão sendo desenvolvidos entre a BHTrans e as secretarias de Saúde e Educação. Entre eles, podemos destacar o projeto trauma zero em parceria com a Secretaria de Saúde.

O BH Trauma Zero é uma grande campanha educativa para prevenção de acidentes, realizada pela gerência de Urgência e Emergência da SMSA e a Liga Acadêmica do Trauma (LAT FCMMG/UFMG). O objetivo do projeto é realizar uma grande campanha educativa de prevenção de acidentes domésticos, de trânsito e brigas de torcida.

O secretário Adjunto Municipal de Saúde, Fabiano Pimenta, apresentou os dados referentes ao total de acidentes de trânsito, sendo eles a principal causa de morte entre os maiores de 50 anos. Ele ressaltou também que a SMSA já tem um banco de dados para acompanhar os dados de acidentes no trânsito. “Essa ação mostra que a SMSA sempre se preocupou com os números de acidentes de trânsito”, ressaltou Pimenta.

A maioria dos acidentes ocorrem nos finais de semana, quinta e sexta-feira, sábado e domingo, após as 23 horas. Outro dado importante é que dos 294 acidentes ocorridos em 2010, 81 resultaram em óbito e 213 foram feridos graves.

“Essa parceria vem de longo tempo e essa experiência do projeto Vida no Trânsito vem ajudar e aprimorar o trabalho intersetorial. Esse é um projeto audacioso da prefeitura, pois reduzir o número de óbitos não é uma tarefa fácil”, destacou Pimenta.

FLASH MOB



Depois da solenidade de abertura, os visitantes seguiram para a Praça Sete, onde assistiram um Flash Mob (intervenção instantânea feita em espaço urbano) “Um minuto pode valer uma vida”, com cerca de 100 alunos das Academias da Cidade e coordenado pelo grupo de Mobilização da SMSA – MobilizaSUS-BH.

O coordenador do Grupo MobilizaSUS, Samir Caetano Amim Jorge, ressaltou a importância de investir em educação para mobilizar as pessoas. “Nesse caso dos acidentes de trânsito, temos que investir em mudança de hábito. Para investir na vida, é preciso investir em educação”, afirmou o coordenador.

Para a dona de casa Eva Rodrigues, de 60 anos, esse tipo de ação é muito válida. “Eu acho muito bom esse tipo de ação. As pessoas não respeitam os idosos, não tem paciência e esse tipo de evento serve para chamar atenção da população para se conscientizar e ter mais respeito”.

“A Prefeitura está de parabéns por esse evento. Uma ação como essa acontecendo na Praça Sete traz muita visibilidade”, avaliou o aposentado José Maria dos Santos.

O diretor do Departamento de Análise e Situação de Saúde do Ministério da Saúde, Otaliba Libânio, aprovou a ação. “Precisamos levar a informação onde as pessoas estão. Aqui é o lugar ideal para esse tipo de ação”, destacou.

Após assitirem ao Flash Mob, as autoridades seguiram para a Escola Municipal Dom Bosco, onde conheceram as instalações da escola, e percorreram o caminho que os alunos fazem para participar das oficinas do projeto Escola Integrada. Em seguida, eles visitaram a Gerência de Apoio Operacional da BHTrans.

| Voltar