Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

http://portalpbh.pbh.gov.br/pbh/ecp/comunidade.do?evento=portlet&pIdPlc=ecpTaxonomiaMenuPortal&app=meioambiente&tax=43437&lang=pt_BR&pg=5700&taxp=0&

 

 

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

.


   
 
  PRINCIPAL / SALA DE NOTICIAS
 
 
 
Carlos Drummond de Andrade e Pedro Nava - Escritores e amigos
Publicado em 20/12/2016 12:11:36

Os escritores Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) e Pedro Nava (1903-1984), amigos e escritores mineiros, estão representados em tamanho real nas estátuas da Praça do Encontro, que fica na Rua Goiás com Rua da Bahia, no Centro de Belo Horizonte. As esculturas, com 200 kg e 1,70 m de altura cada, foram produzidas pelo artista plástico Léo Santana e inauguradas em 2003, ano em que os escritores completariam 100 anos.

Carlos Drummond, contista e consagrado poeta brasileiro, nasceu em Itabira, em Minas Gerais, e marcou a segunda fase do Modernismo brasileiro, em 1930, com o lançamento do livro "Alguma Poesia". Também lançou obras traduzidas para inúmeras línguas como “Sentimento do mundo”, e “Contos de aprendiz”, se firmando por muitas décadas como o poeta mais influente da literatura brasileira.

Formado em medicina pela Universidade Federal de Minas, especialista em reumatologia, pintor, Pedro Nava é mineiro de Juiz de Fora e participou da geração modernista de Belo Horizonte, sendo conhecido como o maior memorialista da literatura brasileira no século XIX através de livros “Baú de Ossos” e “Galo das Trevas”. Em umas de suas mais importantes entrevistas para o tabloide O Pasquim, Nava comenta sua atividade literária: "Certos fatos que estão dentro de mim me castigando; depois que escrevo, esqueço. É uma catarse mesmo."

Carlos Drummond de Andrade e Pedro Nava se conheceram na capital e iam com frequência ao Café Estrela, local muito visitado por escritores da época. Drummond costumava dizer que o amigo “possuía uma capacidade meio demoníaca, meio angélica de transformar em palavras o mundo feito de acontecimentos”.

A trágico suicídio de Pedro Nava foi um duro golpe para Drummond, que em sua homenagem escreveu um poema “A Um Ausente”. Confira o trecho final do poema:

 

“Sim, acuso-te porque o fizeste
o não previsto nas leis da amizade e da natureza
nem nos deixaste sequer o direito de indagar
porque o fizeste, porque o foste”.
 

 

Fontes
http://www.belohorizonte.mg.gov.br/bh-primeira-vista/arquitetura/carlos-drummond-e-pedro-nava-conversam-na-praca-do-encontro
http://cultura.estadao.com.br/noticias/geral,passados-30-anos-morte-de-pedro-nava-ainda-e-controversa,1164690
https://pt.wikipedia.org/wiki/Pedro_Nava
 

| Voltar